Pular para o conteúdo principal

Feedback sem medição é inócuo



O feedback gerencial foi excelente, nítido, claro e construtivo. Seu tom era atencioso, compassivo e convincente. Cada crítica foi, consequentemente, ouvida, reconhecida e compreendida. Mensagem recebida; próximos passos foram acordados. Uma conversa potencialmente constrangedora e dolorosa tornou-se uma experiência de conexão. Foi um cenário mais favorável.

Cinquenta dias depois, infelizmente, nada de significante tinha mudado. Uma quinzena rápida de autoconsciência cedeu ao "que era antes". Era como se que o feedback aberto e honesto nunca tinha ocorrido.

Soa familiar? Pessoas compreensivelmente investem tempo significativo e cuidado tentando dar um melhor feedback. Infelizmente, esses investimentos tipicamente têm baixa performance. As razões são simples e óbvias: O verdadeiro propósito de um melhor feedback não é para melhorar a receptividade ou melhorar a compreensão, mas para efetuar a mudança mensurável.

O feedback é um meio para um fim. Não importa o quão seja dado de forma encantadora ou carismática, o feedback que não leva a melhores resultados falha. Os médicos que aconselham os pacientes com excesso de peso para comerem menos e fazerem mais exercício pode ser de fato um feedback para salvar vidas. Mas até quilogramas significativos são, na verdade, perdidos, mas ninguém está ficando melhor. Fazer o feedback mais empático ou persuasivo perde totalmente o sentido.

A falha intrínseca do feedback não está no emissor ou na mensagem, está na metrologia. O feedback deve ser explicitamente associado às métricas, medidas e mecanismos que controlam o desejado, mudança e desejável. Feedback que é dado sem formas de monitorar a mudança mensurável é menos significativo do que um conselho bem-intencionado. Em outras palavras, feedback eficaz requer um feedback eficaz.

É por isso que a compreensão do pós-feedback requer uma própria quantificação. Nossas capacidades de expansão para digitalmente, visualmente e incisivo auto monitoramento irá transformar o modo como o feedback no trabalho será definido, desenvolvido e dado. Atualmente, dispomos de auto medidores de calorias e passos; amanhã vão monitorar o que seus líderes, colaboradores e clientes querem melhorar profissionalmente. O feedback sério virá com a auto quantificação associada. (É assim que você saberá o que é grave.)

O futuro do feedback é o futuro da auto quantificação. O futuro da auto quantificação é o futuro do feedback. O desafio crítico e polêmico, naturalmente, gira em torno do consentimento. Os auto quantificadores de hoje não serão os de amanhã. A fusão de feedbacks com medidores de desempenho será óbvia e inevitável.

REFERÊNCIAS:

Tradução e adaptação do texto original de:

SCHRAGE, M. Feedback without measurement won’t do any good. HBR – Harvard Business Review. Disponível em https://hbr.org/2015/08/feedback-without-measurement-wont-do-any-good  > Acessado em 11 de Ago. 2015.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Significado Prático do 5S

Gerisval Alves Pessoa*
Daniel da Silva Jatahy**
Conceito de 5S


È um programa de educação e treinamento que busca a mudança no comportamento e nos hábitos das pessoas, de maneira simples e ao mesmo tempo revolucionária, por meio da prática de ações de melhorias contínuas no ambiente de trabalho e no gerenciamento do dia a dia das organizações.

Tem como objetivo principal preparar uma empresa, um departamento, um bairro, uma escola, uma cidade ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente, por meio do envolvimento das pessoas e do trabalho em equipe.

Os 5S são uma derivação de cinco palavras de origem japonesa adaptadas para o português conforme descritas abaixo:


- Seiri: Senso de Utilização
- Seiton: Senso de Ordenação
- Seisou: Senso de Limpeza
- Seiketsu: Senso de Higiene, Saúde ou Bem Estar
- Shitsuke: Senso de Autodisciplina

Mas para torná-lo simples, é necessário que entendamos de forma prática o conceito de cada senso e que o torne uma ferramenta para ser utilizada …

Série Ferramentas de Gestão: FMEA

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) - Análise dos Modos e Efeitos das Falhas
FMEA é uma ferramenta básica aplicada à confiabilidade que tem sua principal aplicação para a:
-Melhoria de um produto ou processo já em operação. A partir da identificação das causas das falhas ocorridas e seu posterior bloqueio. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos já em operação. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos, ainda na fase de projeto.
A ferramenta FMEA (Análise dos Modos e Efeitos das Falhas) é um método de análise de projetos (de produtos ou processos, industriais e/ou administrativos) usado para identificar todos os possíveis modos potenciais de falha e determinar o efeito de cada uma sobre o desempenho do sistema (produto ou processo), mediante um raciocínio basicamente dedutivo. É um método analítico padronizado para detectar e eliminar problemas potenciais de forma siste…

Série Ferramentas de Gestão: Diagrama do Processo Decisório

Diagrama do Processo Decisório ou PDPC (Process Decision Program Chart)

O Diagrama PDPC procura não apenas antecipar possíveis desvios de rota, mas também desenvolver medidas alternativas que previnam a ocorrência de desvios e atuem satisfatoriamente caso ocorram desvios de rota
O PDPC procura também, desenvolver planos de contingências / planos alternativo para lidar com as incertezas.
Deve-se usá-lo quando:
1.A tarefa é nova ou única; 2.O plano de implementação é complexo e difícil execução; 3.A eficiência de implementação é crítica. 4.Projeto de instalação de uma nova máquina ou intervenção de manutenção 5.Desenvolvimento e introdução de novos produtos
O PDPC pode também, ser usado para mostrar a cadeia de eventos que levam a um resultado indesejável.
Roteiro para Construção:
O Diagrama do Processo Decisório (DPD) é construído nas seguintes etapas:
• Fluxo básico • Macro-DPD • Micro-DPD

Roteiro Básico:
1.Definir os pontos de partida e de chegada 2.Traçar um plano otimista  3.Pensar sobre fatos qu…