Pular para o conteúdo principal

O que fazer sobre a mediocridade na sua equipe



O teste mais difícil de um gerente não é como ele lida com mau desempenho, é como ele aborda a mediocridade.
É impressionante que muitos gestores falam em público sobre a necessidade de "responsabilidade" e "alto desempenho", em seguida, reclamam serem impotentes em particular sobre um ou dois membros de sua própria equipe com resultados medianos. Eles não têm autoridade moral para pedir a outros gerentes que responsabilizem as pessoas se não o fizerem. Tem certeza de que estão fazendo o suficiente para conseguirem um alto desempenho? No seu caso, o que você faz quando o trabalho de alguém é bom, mas não ótimo? Quantos empregados você tem cujo desempenho não é ruim o suficiente para a rescisão, mas se você pudesse repensaria a contratação deles?
Infelizmente, se você está esperando por uma bala de prata para resolver o problema de um empregado de baixa performance, tenho pouco a oferecer. A mediocridade crônica é um sintoma de liderança ineficaz, e não de uma pessoa sem ânimo.
Mas, a mediocridade não é destino. Na verdade, existem exemplos de burocracias governamentais em países tragicamente quebrados que dramaticamente melhoram seu desempenho em questão de meses. Eles conseguiram isso por meio de quatro práticas de liderança que levam à excelência de desempenho. Cada uma é um pré-requisito para a próxima.

1.    Mostre as consequências da mediocridade. Seu primeiro trabalho como líder é garantir que todos saibam o que estão fazendo e por que estão fazendo cada atividade. A mediocridade é tipicamente evidência de desconexão entre o trabalho de alguém e as consequências de sua mediocridade.

Encontre maneiras de conectar as pessoas com as experiências, sentimentos e impacto do bom e mau desempenho. Mantenha a conexão humana viva contando histórias que ilustram o trabalho bem feito, ou não. E evite a linguagem impessoal / burocrática ao falar sobre o desempenho. Estruture seu trabalho em termos humanos sempre que puder.

2.    Use medidas concretas como influência. A mediocridade muitas vezes se esconde atrás de uma folha de figo de medidas ausentes, difusas ou excessivas. De outra forma, medidas significativas tornam o desempenho pobre dolorosamente aparente.
As metas dos empregados devem estar ligadas de forma clara e significativa ao trabalho para que todos saibam o que estão fazendo e por que estão fazendo. Crie aspirações compartilhadas e traduza-as a um número mínimo de objetivos significativamente mensuráveis, dessa forma você está exercendo a sua influência. 

3.    Estabeleça a responsabilidade dos pares. A mediocridade também é frequentemente um sinal de forte supervisão. Isso pode soar de forma contra intuitiva, então veja as seguintes descobertas:
- Nas equipes mais fracas, não há responsabilidade.
- Em equipes medíocres, os líderes são a fonte de responsabilidade.
- Em equipes de alto desempenho, os pares gerenciam a grande maioria dos problemas de desempenho uns com os outros.
Em equipes de alto desempenho, os pares imediatamente e respeitosamente se confrontam quando surgem problemas. Não há nenhuma maneira para mesmo o supervisor mais forte que seja, ver e dirigir cada diferença do desempenho. E quanto mais você tentar fazê-lo, mais vai permitir a mediocridade.
Uma vez que você ajudou a equipe a se conectar profundamente com o que ela faz e por que, e estabeleceu medidas significativas, você precisa construir uma cultura de responsabilidade dos pares, na qual todos podem desafiar qualquer pessoa se for para servir a missão compartilhada. Avaliações semanais regulares podem dar oportunidades para o feedback mútuo e estabelecer responsabilização compartilhada como uma norma.

4.    Fale. Alto desempenho é uma norma que precisa ser defendida regularmente e com vigilância. Haverá inevitavelmente momentos em que você será convidado a fazer sacrifícios pessoais para defender essa norma. O que você transmite nesses momentos é um sinal para a equipe do seu compromisso com o alto desempenho e, portanto, a sua dignidade de exigir deles. Aqui estão três momentos comuns:

- Há um elefante na sala. Como um líder, é seu trabalho resolver estes problemas, especialmente quando ninguém mais é capaz. Se uma iniciativa corporativa é um fracasso absoluto, mas não-discutível, sua equipe vai ver se você tem a integridade de apontar a “falta de roupas do imperador”.

- Seu líder está falhando em manter os compromissos que sua equipe precisa para fazer seu trabalho. Todos os olhos estarão em você para ver como lida com isso.

- Um empregado com baixa performance crônica é um claro impedimento. A forma como você lidar com esta situação vai fazer com que sua equipe saiba se o seu maior valor é manter a paz ou prosseguir a sua missão. Se você evitar ou demorar no tratamento deste problema, não perde somente a contribuição da pessoa, mas envia uma mensagem para todos os outros sobre seus valores.
Quando você pede a um grupo para ter alto desempenho, você está convidando-o para um lugar de estresse, um lugar onde todos devem se emprenhar o máximo possível, onde a falha é possível, onde os conflitos interpessoais devem ser abordados. Ao invés de entrar neste lugar desconfortável, alguns vão olhar de forma pretenciosa para você, a fim de desculpar-se a sua retirada para um lugar seguro. Como você lida com esses momentos cruciais irá aumentar ou eliminar a sua influência.
Problemas de desempenho individuais são muito mais fáceis de resolver se você já teve o trabalho de estabelecer uma norma de excelência. Estas quatro práticas simples, mas importantes podem rapidamente e profundamente mudar as expectativas de um grupo de uma forma a conduzi-lo a melhores resultados e uma experiência de trabalho substancialmente mais gratificante para todos.


REFERÊNCIA

Tradução livre e extratos do texto original
 
GRENNY, Josephy. What to do about mediocrity on your team. Harvard Business Review. Disponível em < https://hbr.org/2017/04/what-to-do-about-mediocrity-on-your-team?> Acessado em 23 de abril de 2017

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Série Ferramentas de Gestão: FTA

Série Ferramentas de Gestão: FMEA

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) - Análise dos Modos e Efeitos das Falhas
FMEA é uma ferramenta básica aplicada à confiabilidade que tem sua principal aplicação para a:
-Melhoria de um produto ou processo já em operação. A partir da identificação das causas das falhas ocorridas e seu posterior bloqueio. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos já em operação. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos, ainda na fase de projeto.
A ferramenta FMEA (Análise dos Modos e Efeitos das Falhas) é um método de análise de projetos (de produtos ou processos, industriais e/ou administrativos) usado para identificar todos os possíveis modos potenciais de falha e determinar o efeito de cada uma sobre o desempenho do sistema (produto ou processo), mediante um raciocínio basicamente dedutivo. É um método analítico padronizado para detectar e eliminar problemas potenciais de forma siste…

Série Ferramentas de Gestão: Diagrama do Processo Decisório

Diagrama do Processo Decisório ou PDPC (Process Decision Program Chart)

O Diagrama PDPC procura não apenas antecipar possíveis desvios de rota, mas também desenvolver medidas alternativas que previnam a ocorrência de desvios e atuem satisfatoriamente caso ocorram desvios de rota
O PDPC procura também, desenvolver planos de contingências / planos alternativo para lidar com as incertezas.
Deve-se usá-lo quando:
1.A tarefa é nova ou única; 2.O plano de implementação é complexo e difícil execução; 3.A eficiência de implementação é crítica. 4.Projeto de instalação de uma nova máquina ou intervenção de manutenção 5.Desenvolvimento e introdução de novos produtos
O PDPC pode também, ser usado para mostrar a cadeia de eventos que levam a um resultado indesejável.
Roteiro para Construção:
O Diagrama do Processo Decisório (DPD) é construído nas seguintes etapas:
• Fluxo básico • Macro-DPD • Micro-DPD

Roteiro Básico:
1.Definir os pontos de partida e de chegada 2.Traçar um plano otimista  3.Pensar sobre fatos qu…