Pular para o conteúdo principal

3 perguntas capazes de neutralizar qualquer argumento no trabalho



Uma pequena dica de colaboração que, como uma receita picante, precisa ser temperada com uma certa dose de conflito para ser realmente eficaz. Sem conflito, é improvável que você desenterre as melhores ideias possíveis ou detecte possíveis problemas com antecedência suficiente para corrigi-los. Mas, adicionar mais do que uma pitada adequada de conflito, você perde um tempo precioso em abrandar sentimentos feridos, envolvido em disputas de poder pessoal e em reparar relacionamentos.

Então, como garantir que seus relacionamentos no trabalho que tenham pontos de vistas diferentes, tenham conflitos saudáveis e profissionais? A empreendedora e autora Lauren Bacon abordou recentemente o problema de manter esse equilíbrio complicado em 99U (www.99u.com), oferecendo uma série de perguntas que você pode usar para gerenciar as divergências do trabalho de forma rápida e de construtiva. Algumas, como "Quais são os nossos objetivos aqui?" São bastante simples (e incrivelmente útil). Outras que você talvez não tenha ouvido antes.


Aqui estão as três principais perguntas:


1.    Será que estamos discutindo sobre intenção ou impacto?

Conflito no trabalho, como todos os tipos de conflitos, é muitas vezes agravado por desacordos sobre intenção. Por exemplo, você deixou de fora uma pessoa da lista de e-mails importantes e, ela pensou que foi deliberadamente. A pessoa fica indignada que você nem sequer considerou tal coisa; obviamente, foi apenas um descuido. O resultado é que os sentimentos estão inflamados por toda parte, mesmo que o ponto da questão, que gerou a discussão, poderia simplesmente ser sanada daqui para frente.

"Intenção não importa, se o impacto é negativo. E esse impacto deve ser abordado se você avançar", escreve Bacon. Então o que deve ser feito, a fim de superar sentimentos de mágoa previsíveis, mas improdutivas? "Se você suspeitar que uma intenção vs conversa de impacto está acontecendo, tente abordar o assunto da seguinte forma: ‘Eu não sei qual foi a sua intensão quando você fez esse comentário, mas o impacto sobre mim foi X', ou 'Eu estou preocupado que quando eu disse X, possa ter tido um impacto não intencional de Y’. Em seguida, convide a outra parte a compartilhar seu ponto de vista, e faça o seu melhor para ouvir com a mente aberta", ela sugere.

Esta abordagem também é sugerida pelo consultor Peter Bregman em seu blog na Harvard Business Review. "Sempre inicie uma conversa reconhecendo como suas ações afetarão a outra pessoa. Deixe a discussão sobre suas intenções para mais tarde, pois pode evitar uma briga”.

Com os mal-entendidos sobre a intenção já tratados, você pode passar para a relativamente simples tarefa de separar o que precisa ser feito de forma diferente no futuro. (Quando se trata de questões de intenção, a frase epônima de Navalha de Halon pode ajudar para que todos tenham em mente: "Nunca atribua à malícia o que pode ser adequadamente explicado pela estupidez")
2.    O que você faria no meu lugar?

Você está absolutamente preso e incapaz de olhar olho no olho de um colega? Dê a essa pessoa um crédito para um pequeno vislumbre em sua realidade com esta questão, sugere Bacon, que lista três passos para empregá-la de forma eficaz:

     Passo 1: Descreve o problema para a outra pessoa.
     Passo 2: Pergunte a ela: "O que você faria se fosse eu?"
     Passo 3: Cale-se, qualquer coisa que você falar vai enfraquecer a sua posição.

É uma aposta certa que o adversário vai ver imediatamente as coisas à sua maneira? Não. Mas, o exercício deve revelar muito sobre as verdadeiras prioridades de todos, que, com alguma sorte, pelo menos, fornecerá uma base sólida para uma discussão mais útil.


3.    Como é que nossos clientes querem que respondamos a esta pergunta?

Bacon oferece este presente final, uma rápida pergunta bônus, mas que é útil, particularmente para os pequenos empresários e empregados, que pode fazer com que “você veja além do umbigo de forma empática e criativa".


REFERÊNCIAS:

Tradução e adaptação do texto original de:

STILLMAN, Jessica. 3 Questions that will defuse any office argument. Inc.com.  Disponível em < https://www.themuse.com/advice/3-questions-that-will-defuse-any-office-argument  > Acessado em 10 de Jul. de 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Significado Prático do 5S

Gerisval Alves Pessoa*
Daniel da Silva Jatahy**
Conceito de 5S


È um programa de educação e treinamento que busca a mudança no comportamento e nos hábitos das pessoas, de maneira simples e ao mesmo tempo revolucionária, por meio da prática de ações de melhorias contínuas no ambiente de trabalho e no gerenciamento do dia a dia das organizações.

Tem como objetivo principal preparar uma empresa, um departamento, um bairro, uma escola, uma cidade ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente, por meio do envolvimento das pessoas e do trabalho em equipe.

Os 5S são uma derivação de cinco palavras de origem japonesa adaptadas para o português conforme descritas abaixo:


- Seiri: Senso de Utilização
- Seiton: Senso de Ordenação
- Seisou: Senso de Limpeza
- Seiketsu: Senso de Higiene, Saúde ou Bem Estar
- Shitsuke: Senso de Autodisciplina

Mas para torná-lo simples, é necessário que entendamos de forma prática o conceito de cada senso e que o torne uma ferramenta para ser utilizada …

Série Ferramentas de Gestão: Diagrama do Processo Decisório

Diagrama do Processo Decisório ou PDPC (Process Decision Program Chart)

O Diagrama PDPC procura não apenas antecipar possíveis desvios de rota, mas também desenvolver medidas alternativas que previnam a ocorrência de desvios e atuem satisfatoriamente caso ocorram desvios de rota
O PDPC procura também, desenvolver planos de contingências / planos alternativo para lidar com as incertezas.
Deve-se usá-lo quando:
1.A tarefa é nova ou única; 2.O plano de implementação é complexo e difícil execução; 3.A eficiência de implementação é crítica. 4.Projeto de instalação de uma nova máquina ou intervenção de manutenção 5.Desenvolvimento e introdução de novos produtos
O PDPC pode também, ser usado para mostrar a cadeia de eventos que levam a um resultado indesejável.
Roteiro para Construção:
O Diagrama do Processo Decisório (DPD) é construído nas seguintes etapas:
• Fluxo básico • Macro-DPD • Micro-DPD

Roteiro Básico:
1.Definir os pontos de partida e de chegada 2.Traçar um plano otimista  3.Pensar sobre fatos qu…

Série Ferramentas de Gestão: FMEA

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) - Análise dos Modos e Efeitos das Falhas
FMEA é uma ferramenta básica aplicada à confiabilidade que tem sua principal aplicação para a:
-Melhoria de um produto ou processo já em operação. A partir da identificação das causas das falhas ocorridas e seu posterior bloqueio. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos já em operação. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos, ainda na fase de projeto.
A ferramenta FMEA (Análise dos Modos e Efeitos das Falhas) é um método de análise de projetos (de produtos ou processos, industriais e/ou administrativos) usado para identificar todos os possíveis modos potenciais de falha e determinar o efeito de cada uma sobre o desempenho do sistema (produto ou processo), mediante um raciocínio basicamente dedutivo. É um método analítico padronizado para detectar e eliminar problemas potenciais de forma siste…