Pular para o conteúdo principal

6 tipos de pessoas que devem ser banidas de sessões de brainstorming



Você já participou de uma sessão de brainstorming que rendeu menos ideias do que qualquer um teria esperado? A falta de criatividade não pode ter sido a causa. Certos tipos de personalidades perturbadores poderiam ter reprimido o processo de geração de ideias.

Aqui estão seis tipos de pessoas que você deve manter fora de sua próxima sessão criativa de acordo com Mitchell Rigie e Keith Harmeyer:

1 . Sugadores de atenção.

Essas pessoas naturalmente estão em busca de atenção ao falar e, normalmente dominam a sessão. Eles tendem sempre gentilmente trazerem os holofotes para si. Então, é um pouco difícil de controlá-los.

2 . Estraga prazeres

Essas pessoas são pessimistas, que lhe darão uma dúzia de razões pelas quais uma ideia é ruim. Eles tendem a ser o que chamamos de inspetores de defeitos. Não importa o que você apresentar, eles vão encontrar algum tipo de defeito e realmente diminuir o nível de entusiasmo do grupo."

3. Assassinos de ideias

Embora intimamente ligada com a negatividade dos estraga-prazeres, os assassinos de ideias não são tão pensativos com suas críticas. Em vez de oferecer formas de melhorar as ideias de outras pessoas, eles gostam de criar furos nelas pensando que eles estão trazendo a voz da razão para o grupo.  Um assassino ideia é como alguém em uma festa de aniversário e estoura os balões. Eles só querem derrubar uma ideia tão rapidamente quanto possível, para que possamos obter aquela que faz sentido.

4 . Ditadores

Estes são muitas vezes os indivíduos em uma posição de supervisão. Eles gostam de escolher suas próprias ideias, que eventualmente sufoca a criatividade e entusiasmo dos outros.

5. Obstrucionistas

Se algo pode ser complicado, essas pessoas vão fazer isso. Eles mais acham que [uma ideia], eles querem analisá-la até a morte. Isso simplesmente não é o caminho mais produtivo para a qual deve ser um ambiente de compartilhamento livre e espontâneo como um brainstorming.

6. Os omissos

Essas pessoas vêm para a reunião e apenas ocupam espaço, realmente não contribuem em nada de valor.

Como lidar com os assassinos de ideias

Para começar, a coisa mais óbvia a fazer é não convidar os assassinos de ideias em uma sessão de brainstorming.

Isso nem sempre é possível, é claro. Aqui estão outras dicas:

Estabelecer as regras do jogo. A primeira coisa que um facilitador da reunião precisa fazer uma sessão de brainstorming é definir quais tipos de comportamentos são aceitáveis ​​e não aceitáveis. Na verdade, você deve fazer isso antes de qualquer reunião, não apenas antes de um brainstorming. As regras devem ser escritas e publicadas em algum lugar da sala.

Priorize a quantidade em detrimento da qualidade. Para cada 100 ideias geradas geram talvez apenas poucas terão mérito real. Não há problema como uma má ideia, porque até mesmo a pior ideia pode ter por dentro as sementes de uma boa ideia, então você tem que dar uma chance a todas.

Abrace as ideias malucas e audaciosas.  Você nunca sabe o quão longe pode ir até ir longe demais, por isso, é sempre melhor ter uma ideia que talvez vá longe demais à beira do absurdo, mas trazê-la de volta, porque normalmente há uma maneira de lapidar uma ideia selvagem ou de ancorá-la um pouco.

Cultive um ambiente sem ego ou vaidades. Deve ser irrelevante quem deu a ideia. O brainstorming é, por natureza, um esforço coletivo.

Use o não-verbal. Use o brainwriting. Alguém coloca um desafio para o grupo e cada pessoa escreve uma ideia para solucioná-lo, em seguida, entrega o seu papel para a pessoa à esquerda. Todo mundo lê ideia do vizinho e adiciona a ela, talvez uma melhoria para a ideia, ou um sistema totalmente novo. Esse processo continua até que todos tenha seu próprio papel na mão.

Então, por exemplo, em um grupo de oito pessoas, dentro de 10 a 15 minutos você terá 64 ideias no papel e não houve necessidade ou oportunidade para a discussão, crítica, ou uma conversa excessiva.  

REFERÊNCIAS:

Tradução e adaptação do texto original de:

DESMARAIS, C.  6 Types of people you should ban from brainstorming sessions Inc. Disponível em < http://www.inc.com/christina-desmarais/6-personality-types-to-ban-from-your-next-brainstorming-session.html > Acessado em 20 de Out. de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Significado Prático do 5S

Gerisval Alves Pessoa*
Daniel da Silva Jatahy**
Conceito de 5S


È um programa de educação e treinamento que busca a mudança no comportamento e nos hábitos das pessoas, de maneira simples e ao mesmo tempo revolucionária, por meio da prática de ações de melhorias contínuas no ambiente de trabalho e no gerenciamento do dia a dia das organizações.

Tem como objetivo principal preparar uma empresa, um departamento, um bairro, uma escola, uma cidade ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente, por meio do envolvimento das pessoas e do trabalho em equipe.

Os 5S são uma derivação de cinco palavras de origem japonesa adaptadas para o português conforme descritas abaixo:


- Seiri: Senso de Utilização
- Seiton: Senso de Ordenação
- Seisou: Senso de Limpeza
- Seiketsu: Senso de Higiene, Saúde ou Bem Estar
- Shitsuke: Senso de Autodisciplina

Mas para torná-lo simples, é necessário que entendamos de forma prática o conceito de cada senso e que o torne uma ferramenta para ser utilizada …

Série Ferramentas de Gestão: Diagrama do Processo Decisório

Diagrama do Processo Decisório ou PDPC (Process Decision Program Chart)

O Diagrama PDPC procura não apenas antecipar possíveis desvios de rota, mas também desenvolver medidas alternativas que previnam a ocorrência de desvios e atuem satisfatoriamente caso ocorram desvios de rota
O PDPC procura também, desenvolver planos de contingências / planos alternativo para lidar com as incertezas.
Deve-se usá-lo quando:
1.A tarefa é nova ou única; 2.O plano de implementação é complexo e difícil execução; 3.A eficiência de implementação é crítica. 4.Projeto de instalação de uma nova máquina ou intervenção de manutenção 5.Desenvolvimento e introdução de novos produtos
O PDPC pode também, ser usado para mostrar a cadeia de eventos que levam a um resultado indesejável.
Roteiro para Construção:
O Diagrama do Processo Decisório (DPD) é construído nas seguintes etapas:
• Fluxo básico • Macro-DPD • Micro-DPD

Roteiro Básico:
1.Definir os pontos de partida e de chegada 2.Traçar um plano otimista  3.Pensar sobre fatos qu…

Série Ferramentas de Gestão: FMEA

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) - Análise dos Modos e Efeitos das Falhas
FMEA é uma ferramenta básica aplicada à confiabilidade que tem sua principal aplicação para a:
-Melhoria de um produto ou processo já em operação. A partir da identificação das causas das falhas ocorridas e seu posterior bloqueio. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos já em operação. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos, ainda na fase de projeto.
A ferramenta FMEA (Análise dos Modos e Efeitos das Falhas) é um método de análise de projetos (de produtos ou processos, industriais e/ou administrativos) usado para identificar todos os possíveis modos potenciais de falha e determinar o efeito de cada uma sobre o desempenho do sistema (produto ou processo), mediante um raciocínio basicamente dedutivo. É um método analítico padronizado para detectar e eliminar problemas potenciais de forma siste…