Pular para o conteúdo principal

Os limites de remuneração estão motivando ou desmotivando os empregados?

Um dos desafios na concepção e gestão da remuneração é a construção de programas que recompensam os empregados de forma justa, competitiva e de forma a envolverem-nos no sucesso da empresa - sem criar um sentimento de jurisprudência. Especialmente quando parece que o direito está ligado à nossa cultura.

Whitney Johnson (2012) “Luta pelos seus direitos, o assassino na inovação”, fala de todas as maneiras pelas quais nós inadvertidamente reforçamos um senso de direito, com nossos filhos, com nossos empregados, mesmo com nossos executivos. E ela aponta que a responsabilidade, e o ato de responsabilizar as pessoas, é o oposto direto do direito. Então, neste artigo, ela destaca uma reivindicação inovação e sobre a desvantagem de proteger as pessoas de limites e consequências: fronteiras e desafios podem nos fortalecer e encorajar.

Trazendo este pensamento para os programas de remuneração, os mesmos   tendem a ser cheios de limites. Eis alguns exemplos:

1.    Faixas salariais (Mensagem de limite subjacente: este é o salário fixo mais alto que estamos dispostos a pagar pelo trabalho que você está realizando atualmente).
2.    Objetivos de desempenho (mensagem de limite subjacente: seu desempenho não será considerado exceder expectativas, a menos que você realize X.)
3.    Diretrizes de aumento de salário (mensagem de limite subjacente: este é o maior aumento de salário que você pode ganhar em seu nível atual de desempenho.)
4.    Estrutura do plano de incentivos do grupo (Mensagem de limite subjacente: Nenhum prêmio será recebido a menos que a empresa obtenha um lucro líquido de X.)

A questão é a seguinte: estamos posicionando e comunicando esses limites de uma forma que dar poder e incentiva os empregados? Estamos apresentando esses limites de uma maneira que inspira os empregados a realizarem as coisas necessárias para ir além deles?


REFERÊNCIAS:

BARES, Ann. Are pay boundaries empowering or demotivating? TLNT –Talent Management and HR. Disponível em <https://www.eremedia.com/tlnt/are-pay-boundaries-empowering-or-demotivating/?>
Acessado EM 01 DE ABR DE 2017


JOHNSON, W. Battling Entitlement, the Innovation-Killer. Harvard Business Review, January, 12, 2012. Disponível em <  https://hbr.org/2012/01/battling-entitlement-the-innov >. Acessado em 01 de abr. de 2017.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Série Ferramentas de Gestão: FTA

Série Ferramentas de Gestão: FMEA

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) - Análise dos Modos e Efeitos das Falhas
FMEA é uma ferramenta básica aplicada à confiabilidade que tem sua principal aplicação para a:
-Melhoria de um produto ou processo já em operação. A partir da identificação das causas das falhas ocorridas e seu posterior bloqueio. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos já em operação. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos, ainda na fase de projeto.
A ferramenta FMEA (Análise dos Modos e Efeitos das Falhas) é um método de análise de projetos (de produtos ou processos, industriais e/ou administrativos) usado para identificar todos os possíveis modos potenciais de falha e determinar o efeito de cada uma sobre o desempenho do sistema (produto ou processo), mediante um raciocínio basicamente dedutivo. É um método analítico padronizado para detectar e eliminar problemas potenciais de forma siste…

Série Ferramentas de Gestão: Diagrama do Processo Decisório

Diagrama do Processo Decisório ou PDPC (Process Decision Program Chart)

O Diagrama PDPC procura não apenas antecipar possíveis desvios de rota, mas também desenvolver medidas alternativas que previnam a ocorrência de desvios e atuem satisfatoriamente caso ocorram desvios de rota
O PDPC procura também, desenvolver planos de contingências / planos alternativo para lidar com as incertezas.
Deve-se usá-lo quando:
1.A tarefa é nova ou única; 2.O plano de implementação é complexo e difícil execução; 3.A eficiência de implementação é crítica. 4.Projeto de instalação de uma nova máquina ou intervenção de manutenção 5.Desenvolvimento e introdução de novos produtos
O PDPC pode também, ser usado para mostrar a cadeia de eventos que levam a um resultado indesejável.
Roteiro para Construção:
O Diagrama do Processo Decisório (DPD) é construído nas seguintes etapas:
• Fluxo básico • Macro-DPD • Micro-DPD

Roteiro Básico:
1.Definir os pontos de partida e de chegada 2.Traçar um plano otimista  3.Pensar sobre fatos qu…