Pular para o conteúdo principal

Gerencie a atenção de sua equipe



Qual é o seu recurso mais escasso no trabalho?

A maioria das pessoas responde, sem hesitação, que é o tempo. Certamente é finito, mas eu diria que o tempo não é realmente o seu recurso mais escasso. Afinal, todo mundo tem a mesma quantidade de tempo, e ainda as diferenças individuais na produtividade podem ser enormes.

A melhor resposta pode ser a sua atenção, a sua capacidade pessoal para atender às coisas certas para a quantidade certa de tempo. Como o prêmio Nobel Herbert Simon sugeriu pela primeira vez há 40 anos, “quando a informação é abundante, a atenção se torna o recurso escasso”.

Por isso, talvez o maior desafio que os líderes enfrentam como indivíduos no trabalho, é a gestão da atenção. Isso significa ser atencioso e disciplinado sobre como podemos dividir nosso tempo entre as diferentes atividades, e também sobre como incentivar outras pessoas a se concentrar nas coisas certas. Como?

Em primeiro lugar, considere-se como contribuinte individual. Se a atenção é o seu recurso mais escasso, a primeira coisa que você precisa fazer é disciplinar-se para evitar interrupções. Se você está trabalhando em algo que precisa de foco real, por exemplo, escrever um relatório, então, coloque o seu telefone para o modo silêncios e feche o Outlook ou Facebook. Isso é coisa óbvia, mas é incrível como muitas vezes nós não fazemos isso, e como é fácil se desviar.

Em segundo lugar, e mais difícil, é descobrir quando parar de coletar informações. Atualmente os custos de coleta têm diminuído drasticamente, mas o resultado líquido de fácil acesso à informação é que muitas vezes, mantemos a coleta de informações por muito tempo para termos informações o suficiente para tomarmos uma decisão ou escrevermos um relatório. Como podemos evitar essa "paralisia da análise"? A melhor abordagem é desenvolver sua hipótese ou argumento mais cedo, de modo que sua pesquisa seja focada em apoiar ou refutar esse argumento. Se isso não funcionar, defina para si um prazo final.

Em terceiro lugar, mesmo que vivemos em uma era de informação ubíqua, não devemos ter medo de trazer a nossa intuição e emoção à mesa. É tentador buscar evidências para apoiar todos os argumentos que nós fazemos, mas os líderes de negócios mais bem-sucedidos, Jack Welch, Steve Jobs e Jeff Bezos, sempre tentaram combinar o pensamento racional e intuitivo, pois um grama de visão real vale um quilo de dados.

Finalmente, quando temos acesso à informação abundante, também precisamos encontrar tempo para a reflexão. Pense nisso como uma versão de baixa tecnologia de meditação ou atenção: Significa simplesmente criar pequenos intervalos no dia, talvez durante uma viagem ou durante um exercício, onde faz sentido estimula-lo após de ter sido bombardeado de informações, para que suas ideias surjam.

Agora, considere o seu papel como um gerente. Lembre-se, que sua equipe é tão facilmente distraída como você é. Os membros da equipe também são altamente sensíveis a estímulos e sinais que vêm dos superiores. Se você começar a falar sobre, digamos, uma iniciativa de redução de custos iminente, você está manipulando a atenção de sua equipe, quer você goste ou não. Mudanças de cargos, layout do ambiente de trabalho, agendas das reuniões diárias e semanais e decisões sobre quem será promovido, são temas de atenção que moldam coletivamente opiniões sobre o que é importante para as pessoas, configurando assim, como elas se comportam.

Se você reformular seu papel como o gerente da atenção de sua equipe, há um par de simples conselhos a ser seguido:

Em primeiro lugar, mantenha a mensagem simples e clara. Se você enfatizar coisas diferentes a cada semana, as pessoas vão ficar confusas e não vão aprender a sintonizarem. Mas, se você manter a mensagem cada vez que estiver com a equipe, o efeito sobre o comportamento da sua equipe é provável que seja substancial. Por exemplo, a maioria das empresas de mineração começam a cada encontro de trabalho com “uma história sobre um recente incidente relacionado à segurança”, é uma maneira simples, mas eficaz de manter a segurança como prioridade na mente de todos.

Em segundo lugar, seja claro sobre qual é o foco padrão da atenção, de modo que você possa ser estratégico e sobre como manter sua equipe coesa.

O trabalho chave do gestor é fazer uso eficiente de recursos escassos. Na era industrial, os recursos escassos eram capital e trabalho. Na era do conhecimento, nos acostumamos a pensar em conhecimento e informação como os recursos escassos de que necessitamos para aproveitar. Mas, cada vez mais, a informação é onipresente e o conhecimento é compartilhado amplamente entre as empresas e pessoas. Em um mundo assim, o recurso escasso é a nossa própria e a atenção dos empregados. Precisamos nos tornar mais inteligentes sobre como gerenciá-lo.

REFERÊNCIAS:      

Extraído, traduzido e adaptado do texto original de:

BIRKINSHAW, J.  Manage your team’s attention.  Harvard Business Review. Disponível em< https://hbr.org/2015/01/manage-your-teams-attention> Acessado em 30 de Jan. 2015.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Significado Prático do 5S

Gerisval Alves Pessoa*
Daniel da Silva Jatahy**
Conceito de 5S


È um programa de educação e treinamento que busca a mudança no comportamento e nos hábitos das pessoas, de maneira simples e ao mesmo tempo revolucionária, por meio da prática de ações de melhorias contínuas no ambiente de trabalho e no gerenciamento do dia a dia das organizações.

Tem como objetivo principal preparar uma empresa, um departamento, um bairro, uma escola, uma cidade ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente, por meio do envolvimento das pessoas e do trabalho em equipe.

Os 5S são uma derivação de cinco palavras de origem japonesa adaptadas para o português conforme descritas abaixo:


- Seiri: Senso de Utilização
- Seiton: Senso de Ordenação
- Seisou: Senso de Limpeza
- Seiketsu: Senso de Higiene, Saúde ou Bem Estar
- Shitsuke: Senso de Autodisciplina

Mas para torná-lo simples, é necessário que entendamos de forma prática o conceito de cada senso e que o torne uma ferramenta para ser utilizada …

Série Ferramentas de Gestão: FMEA

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) - Análise dos Modos e Efeitos das Falhas
FMEA é uma ferramenta básica aplicada à confiabilidade que tem sua principal aplicação para a:
-Melhoria de um produto ou processo já em operação. A partir da identificação das causas das falhas ocorridas e seu posterior bloqueio. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos já em operação. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos, ainda na fase de projeto.
A ferramenta FMEA (Análise dos Modos e Efeitos das Falhas) é um método de análise de projetos (de produtos ou processos, industriais e/ou administrativos) usado para identificar todos os possíveis modos potenciais de falha e determinar o efeito de cada uma sobre o desempenho do sistema (produto ou processo), mediante um raciocínio basicamente dedutivo. É um método analítico padronizado para detectar e eliminar problemas potenciais de forma siste…

Série Ferramentas de Gestão: Diagrama do Processo Decisório

Diagrama do Processo Decisório ou PDPC (Process Decision Program Chart)

O Diagrama PDPC procura não apenas antecipar possíveis desvios de rota, mas também desenvolver medidas alternativas que previnam a ocorrência de desvios e atuem satisfatoriamente caso ocorram desvios de rota
O PDPC procura também, desenvolver planos de contingências / planos alternativo para lidar com as incertezas.
Deve-se usá-lo quando:
1.A tarefa é nova ou única; 2.O plano de implementação é complexo e difícil execução; 3.A eficiência de implementação é crítica. 4.Projeto de instalação de uma nova máquina ou intervenção de manutenção 5.Desenvolvimento e introdução de novos produtos
O PDPC pode também, ser usado para mostrar a cadeia de eventos que levam a um resultado indesejável.
Roteiro para Construção:
O Diagrama do Processo Decisório (DPD) é construído nas seguintes etapas:
• Fluxo básico • Macro-DPD • Micro-DPD

Roteiro Básico:
1.Definir os pontos de partida e de chegada 2.Traçar um plano otimista  3.Pensar sobre fatos qu…