Pular para o conteúdo principal

4 coisas que mantêm empregados leais



Se o Google e a Amazon não podem impedir que seus empregados peçam contas, então o dinheiro e as regalias não são as respostas. Veja as dicas aqui.

Você pode abandonar as perguntas misteriosas de entrevistas; deixar de lado os benefícios peculiares e as melhores condições de trabalho e esquecer a construção de uma marca incrível. Quando se trata de contratação, e mais importante em manter ótimos empregados, nem mesmo pagando remuneração bem acima de mercado garante sucesso.

Em uma recente pesquisa de empresas com maiores índices de rotatividade de empregados, as mundiais Google e Amazon ficaram em segundo e quarto lugares, respectivamente. Isso só serve para mostrar, como os Beatles disseram uma vez, o dinheiro não pode comprar o amor.

Se as grandes empresas como o Wynn Resorts e Berkshire Hathaway Inc. (6ª e 18ª, respectivamente, na lista de empresas com o mínimo de empregados leais) não podem construir a lealdade de sua força de trabalho, que chances têm as médias e pequenas empresas, com recursos escassos?

Bem, a verdade é que, com muita frequência.

Apesar do fato de que a maioria dos empresários dos pequenos negócios sente como se estivesse em uma batalha de Davi e Golias quando se trata de comparar seus talentos com os dos mega empregadores, a realidade é que os grandes empregados estão todos à procura de um ambiente que qualquer grande ou pequena empresa pode fornecer.

Aqui estão as quatro principais formas de garantir que seus empregados permaneçam engajados e fiéis, independentemente do tamanho do seu negócio:

1.   Boa comunicação. Você ficaria em um relacionamento com alguém que raramente ou nunca se comunicou com você, e que, quando o fez, parecia acreditar que era um pouco vago, delinquente, não confiável? Provavelmente não. Nem o seus empregados.

Comunicação com os empregados tem se tornado mais complicada e mais complexa durante os últimos 25 anos ou mais. Os princípios são simples e evidentes: Comunique-se muitas vezes, mais do que você pensa que precisa. Comunique-se sobre as coisas que são importantes, não triviais. Seja aberto e honesto, dentro dos limites da prudência e da legalidade. Comunique-se simplesmente, e se possível, com um pouco de humildade e elegância. Mas, acima de tudo, comunicar é você está em um relacionamento com essas pessoas, depois de tudo.

2.   Consistência. Às vezes, bons empregados explicam claramente quais foram as razões de seus desligamentos, mas muitas vezes eles saem por razões que até mesmo acham difícil de serem explicadas. Quando pressionados, eles dirão que não houve um incidente ou evento específico que fizesse com que eles saíssem.

Quase sempre no coração de uma separação existe algo mundano: Um sentido de minar o desrespeito causado pela simples, mas persistente, a inconsistência na forma como eles foram tratados.

Seja consistente em suas relações com as pessoas. Empregados notam inconsistências precisamente da mesma maneira que qualquer outra pessoa em qualquer outra caminhada da vida. Muitos ótimos empregados deixaram as empresas apenas por causa de um eventual colapso de confiança causado pelo efeito cumulativo, do gotejamento, pinga-pinga, de uma ladainha interminável de inconsistências.

Quando você diz que vai fazer uma coisa, faça. Quando você precisa estar em algum lugar, com alguém, esteja lá. Quando você tiver uma iniciativa que envolva outros, chame-os, ou pelo menos envolva-los com alguma finalidade. Quando você tiver um compromisso importante ou aparentemente sem importância, anote-o e faça-o acontecer. Mostre respeito simplesmente por ser coerente. Aplique a mesma consistência nos outros.

3.   A oportunidade de fazer um excelente trabalho. Ninguém vai receber o seu salário e ficar na empresa enquanto, você faz tudo que é importante ou mesmo emocionante, ou favorece àqueles que começam a fazer as coisas boas. Dê às pessoas a oportunidade de fazerem um grande trabalho.

4.   Um decente, gerente não tóxico. A ascensão da agora onipresente "pesquisa de engajamento dos empregados" aconteceu por causa do temor da maioria dos departamentos de RH em lidar com uma única e principalmente gritante questão: Os gestores tóxicos (é mais fácil e menos politicamente perigoso, realizar um levantamento e tentar fazer alguma coisa, do que enfrentar um quadro de entrincheirados mandões ou incompetentes).

No entanto, em todas as pesquisas de desligamento, uma razão consistente encabeça a lista de por que os bons empregados vão-se embora, são os maus gestores.

Isso não é complexo: Não faça alguém um gerente, porque ele fez o seu trabalho hoje. Não faça do seu primo Jimmy um gerente, porque sua irmã lhe pediu um favor. Não faça promoções no campo de batalha sob pressão, pois você se arrependerá em um ou dois meses mais tarde. Você já tem o roteiro: Nomeie gerentes que se comunicam bem, que são consistentes, que deixam sua equipe fazer um excelente trabalho e que são razoavelmente competentes no que fazem.


REFERÊNCIAS:

Tradução e adaptação do texto original de:

McKEOWN, L.  4 Things That Keep Employees Loyal (Hint: It's not money or perks) Inc. Magazine.  Disponível em <  http://www.inc.com/les-mckeown/how-to-keep-employees-loyal-4-things.html?cid=sf01002> Acessado em 01 de Ago. de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Significado Prático do 5S

Gerisval Alves Pessoa*
Daniel da Silva Jatahy**
Conceito de 5S


È um programa de educação e treinamento que busca a mudança no comportamento e nos hábitos das pessoas, de maneira simples e ao mesmo tempo revolucionária, por meio da prática de ações de melhorias contínuas no ambiente de trabalho e no gerenciamento do dia a dia das organizações.

Tem como objetivo principal preparar uma empresa, um departamento, um bairro, uma escola, uma cidade ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente, por meio do envolvimento das pessoas e do trabalho em equipe.

Os 5S são uma derivação de cinco palavras de origem japonesa adaptadas para o português conforme descritas abaixo:


- Seiri: Senso de Utilização
- Seiton: Senso de Ordenação
- Seisou: Senso de Limpeza
- Seiketsu: Senso de Higiene, Saúde ou Bem Estar
- Shitsuke: Senso de Autodisciplina

Mas para torná-lo simples, é necessário que entendamos de forma prática o conceito de cada senso e que o torne uma ferramenta para ser utilizada …

Série Ferramentas de Gestão: FMEA

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) - Análise dos Modos e Efeitos das Falhas
FMEA é uma ferramenta básica aplicada à confiabilidade que tem sua principal aplicação para a:
-Melhoria de um produto ou processo já em operação. A partir da identificação das causas das falhas ocorridas e seu posterior bloqueio. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos já em operação. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos, ainda na fase de projeto.
A ferramenta FMEA (Análise dos Modos e Efeitos das Falhas) é um método de análise de projetos (de produtos ou processos, industriais e/ou administrativos) usado para identificar todos os possíveis modos potenciais de falha e determinar o efeito de cada uma sobre o desempenho do sistema (produto ou processo), mediante um raciocínio basicamente dedutivo. É um método analítico padronizado para detectar e eliminar problemas potenciais de forma siste…

Série Ferramentas de Gestão: Diagrama do Processo Decisório

Diagrama do Processo Decisório ou PDPC (Process Decision Program Chart)

O Diagrama PDPC procura não apenas antecipar possíveis desvios de rota, mas também desenvolver medidas alternativas que previnam a ocorrência de desvios e atuem satisfatoriamente caso ocorram desvios de rota
O PDPC procura também, desenvolver planos de contingências / planos alternativo para lidar com as incertezas.
Deve-se usá-lo quando:
1.A tarefa é nova ou única; 2.O plano de implementação é complexo e difícil execução; 3.A eficiência de implementação é crítica. 4.Projeto de instalação de uma nova máquina ou intervenção de manutenção 5.Desenvolvimento e introdução de novos produtos
O PDPC pode também, ser usado para mostrar a cadeia de eventos que levam a um resultado indesejável.
Roteiro para Construção:
O Diagrama do Processo Decisório (DPD) é construído nas seguintes etapas:
• Fluxo básico • Macro-DPD • Micro-DPD

Roteiro Básico:
1.Definir os pontos de partida e de chegada 2.Traçar um plano otimista  3.Pensar sobre fatos qu…