Pular para o conteúdo principal

Como Elaborar Um Plano de Ação

As organizações estão inseridas em um ambiente cada vez mais competitivo e em constantes mudanças que exigem a necessidade de implantar um sistema de gestão que as auxiliem a promoverem as mudanças necessárias à suas sobrevivências e crescimento.

Para enfrentar este cenário o sistema de gestão pode utilizar o PDCA como um método para a realização de suas metas, tanto de manutenção quanto de melhoria de resultados.

Para melhorar os resultados, os sistemas de gestão com base na filosofia da qualidade total (TQC) sugerem o PDCA de melhorias composto por oito etapas a serem seguidas:

P (Plan) - Planejamento:

1. Identificação do problema

2. Observação do problema

3. Análise do processo

4. Plano de ação

D (Do) - Execução:


5. Ação


C (Check) - Verificação:

6. Verificação dos resultados


A (Action) - Ação:

7. Padronização

8. Conclusão


Este roteiro básico auxilia as organizações a promoverem melhorias incrementais em seus processos, produtos e serviços de forma mais eficientes. A etapa de Planejamento composta das fases 1 a 4 é de fundamental importância para estas melhorias e correspondem aproximadamente 50% do tempo utilizado em todo o roteiro (PDCA).


O resultado deste planejamento é o estabelecimento de um plano de ação consistente e que deve ser seguido para a realização das metas. Mas, como elaborar um plano de ação?


A seguir apresento um roteiro sumariado para elaboração do seu primeiro plano de ação:


1. Estabeleça a sua META de melhoria que deve ser clara, concisa, estar definida no tempo (prazo), ser mensurável (valor) e preferencialmente numérica.

2. Defina o problema, que é a diferença entre o resultado atual e a meta estabelecida

3. Observe o problema para entender suas características (como o problema ocorre?)

4. Identifique os fatores causais (por que o problema ocorre?) utilizando um brainstorming

5. Faça um diagrama de causa e efeito


a. Questione por que o problema ocorre?
b. Anote as causas em um post it, sendo um para cada causa
c. Coloque os post it no diagrama
d. Agrupe os post it por afinidade

6. Teste as causas. Priorizar as causas utilizando, por exemplo, o seguinte critério:

a. Causa Vital/Crítica = 5
b. Causa muito importante = 3
c. Causa importante = 1
7. Selecione as causas priorizadas


8. Para cada causa priorizada, faça um brainstorming para propor “contramedidas” à causa priorizada.

9. Monte um plano de ação utilizando a ferramenta 5W2H


10.    Para cada causa, identifique e descreva no campo “O que” (procedimento / ação) no mínimo uma contramedida oriunda do brainstorming. A redação deve ser no infinitivo, por exemplo: construir, comprar, treinar, soldar, testar, etc.

11. Para o campo “Quem” defina o responsável por cada ação. Neste campo se preenche com o nome e não um grupo ou uma sigla. Ou seja, o responsável pela execução (uma pessoa física).

12. No campo “Quando” preencha com o prazo para conclusão de cada ação. Tenha o cuidado de definir prazos factíveis.

13. No campo “Por que” descreva a justificativa, ou seja, a razão para o desenvolvimento de cada ação. Relacionar o motivo pelo qual a ação vai ser realizada geralmente começa com a palavra para. Pode estar relacionado ao aspecto da causa que está sendo atacada.

14. No campo “Onde” descreva o local físico de desenvolvimento da ação.

15. No campo “Como” descreva o procedimento para o desenvolvimento da ação. É o detalhamento do “O que”. Rediga geralmente no gerúndio.

16. No campo “Quanto custa” determine o orçamento, caso haja custo, para cada ação.


Pronto, você já tem o seu plano de ação com o orçamento necessário para atingir as suas metas. Agora é só ter disciplina na implementação das ações e acompanhamento dos resultados.

Mãos à obra!

___________________________________________________________
* Gerisval Alves Pessoa é Mestre em Gestão Empresarial pela FGV / EBAPE. Especialista em Engenharia da Qualidade. Químico Industrial. Professor de graduação e pós-graduação. Consultor e auditor de Sistema de Gestão da Qualidade.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Significado Prático do 5S

Gerisval Alves Pessoa*
Daniel da Silva Jatahy**
Conceito de 5S


È um programa de educação e treinamento que busca a mudança no comportamento e nos hábitos das pessoas, de maneira simples e ao mesmo tempo revolucionária, por meio da prática de ações de melhorias contínuas no ambiente de trabalho e no gerenciamento do dia a dia das organizações.

Tem como objetivo principal preparar uma empresa, um departamento, um bairro, uma escola, uma cidade ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente, por meio do envolvimento das pessoas e do trabalho em equipe.

Os 5S são uma derivação de cinco palavras de origem japonesa adaptadas para o português conforme descritas abaixo:


- Seiri: Senso de Utilização
- Seiton: Senso de Ordenação
- Seisou: Senso de Limpeza
- Seiketsu: Senso de Higiene, Saúde ou Bem Estar
- Shitsuke: Senso de Autodisciplina

Mas para torná-lo simples, é necessário que entendamos de forma prática o conceito de cada senso e que o torne uma ferramenta para ser utilizada …

Série Ferramentas de Gestão: FMEA

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) - Análise dos Modos e Efeitos das Falhas
FMEA é uma ferramenta básica aplicada à confiabilidade que tem sua principal aplicação para a:
-Melhoria de um produto ou processo já em operação. A partir da identificação das causas das falhas ocorridas e seu posterior bloqueio. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos já em operação. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos, ainda na fase de projeto.
A ferramenta FMEA (Análise dos Modos e Efeitos das Falhas) é um método de análise de projetos (de produtos ou processos, industriais e/ou administrativos) usado para identificar todos os possíveis modos potenciais de falha e determinar o efeito de cada uma sobre o desempenho do sistema (produto ou processo), mediante um raciocínio basicamente dedutivo. É um método analítico padronizado para detectar e eliminar problemas potenciais de forma siste…

Série Ferramentas de Gestão: Diagrama do Processo Decisório

Diagrama do Processo Decisório ou PDPC (Process Decision Program Chart)

O Diagrama PDPC procura não apenas antecipar possíveis desvios de rota, mas também desenvolver medidas alternativas que previnam a ocorrência de desvios e atuem satisfatoriamente caso ocorram desvios de rota
O PDPC procura também, desenvolver planos de contingências / planos alternativo para lidar com as incertezas.
Deve-se usá-lo quando:
1.A tarefa é nova ou única; 2.O plano de implementação é complexo e difícil execução; 3.A eficiência de implementação é crítica. 4.Projeto de instalação de uma nova máquina ou intervenção de manutenção 5.Desenvolvimento e introdução de novos produtos
O PDPC pode também, ser usado para mostrar a cadeia de eventos que levam a um resultado indesejável.
Roteiro para Construção:
O Diagrama do Processo Decisório (DPD) é construído nas seguintes etapas:
• Fluxo básico • Macro-DPD • Micro-DPD

Roteiro Básico:
1.Definir os pontos de partida e de chegada 2.Traçar um plano otimista  3.Pensar sobre fatos qu…